quarta-feira, abril 10, 2002

A CRENÇA NO DISFARCE

ESPAÇO DE PLURIFOCAGEM NARRATIVA

`A Rita ocasiounou de ser de pronto o joão grilo da ilha de lesbos, que d’antanho retorna.
Abrupta nos assanha sua sombra, qu’inda persiste pendendo dos pilares, dado o explendor da estatuária da ilha.
Concerne ao todo a constância. Alívio é chocolate-lady. Em Rita coroou-se a busca do afeto.
PELA AÇÃO SANEADORA DO ORGASMO
Lovely Rita Risonha / Gente careta descreve o q sonha / descreva o q pensa / pressinta e construa a sentença / espere que a essencia se perca / perca espaco, construa outra cerca.
O filho da noiva estrela, cria do grande pã, descendo da kombi, armado provocações concisas acerca dos fatos feito um moldoror da penha, preceptor de gargantua, prestanista. Mane garrincha tampouco, bradou demorô sem dó `a mãe antes de cair no mundo cane pra seguir os sacristãos em suas vestimentas roxas pois era domingo de ramos em minas. Tétrico viramundo sem escolha pois baiano paraîba analfabeto foi tentar a vida em sampa e se danou levou nos cornos e encontrou jesus entre os plebeus entre as premissas
,o navio de bandeira neo-zelandesa adentra a baía de guanabara, ancora na enseada de botafogo, no porão o técnico em robótica computacional rastreia indócil o indício de algo entre a vaga, minúscula, que se ameandra. é a vela da velejadora intrusa Rita de Cássia, enchendo Rita de cócegas.